Dizem que foram os monges budistas chineses que levaram o costume de empinar papagaios para o Japão. Mas foi no período Edo que o takô (papagaio no idioma japonês), se difundiu entre os japoneses, permanecendo até hoje.

No Japão, a arte de construir e empinar papagaios é uma tradição milenar e possui diversos significados para sua cultura. Na religião, o papagaio representa um elo entre o céu e a Terra e ajuda a afugentar os maus espíritos.

Uma antiga lenda conta a história de uma mulher que pediu a um conceituado artista que pintasse num papagaio a figura de Kintarô (herói  do folclore japonês, que representa força), a fim de que pudesse dirigir diretamente aos deuses a sua prece, para que seu filho pudesse crescer forte e sadio. O sucesso foi tão grande, que o pintor recebeu centenas de pedidos, surgindo assim a tradição dos papagaios nambu. De maneira semelhante, nasceram tradições de papagaios com imagens invocando atributos como vida longa, fortaleza, prosperidade, boa sorte, entre outros.

 

Mas foi na pintura que os papagaios japoneses mais se destacaram, representando um importante componente da arte e cultura desse país. Um dos fatores que mais contribuiu para que isso acontecesse foi a existência de materiais muito adequados, como o washi (papel japonês), o bambu e os barbantes de cânhamo. Tudo isso, aliado à habilidade artística dos japoneses, deu origem a um vasto repertório de formas e imagens tradicionais de takô.

*Fotos: Coleção de papagaios japoneses (Takô). Arte: Elena Terumi Yamazato e Mario Noboru Ogassawara; Pipa: Ken Yamazato